A Força vem e te pega;

Te joga contra seu próprio peito.

Seu rosto se arranha nas pedras do coração;

A Força cura, cuida, faz cicatrizar;

Te leva na jangada das almas;

No oceano do espaço;

No colo do Eterno.

 

Mariri;

Me envolvo em teu cipó;

Removendo do espírito este nó;

Reduzindo-me ao pó;

Retornarei fortalecido.

 

Chacrona, “Madre mia”;

Suaviza minha dor;

No calor de teu amor.

Dai-me tua companhia.

Ronaldo Figueira