Vejo muitos sonâmbulos;

Estão dormindo acordados;

Parados, em movimento;

São apenas sonâmbulos;

Sonham que dominam o querer, o agir, e o precioso pensar;

São sonâmbulos;

Tomam emprestado o coração daqueles que pensam;

E banhados no mar das cegas impressões;

Riem;

Choram;

Apavoram-se;

E;

Amam;

Saem de si para não estarem a sós consigo mesmos;

Tomam doses constantes de sedativos cibernéticos;

Tudo para manterem-se sonâmbulos;

Platão ensinou como sair da caverna;

Mas eles preferem ser eternos sonâmbulos.

Ronaldo Figueira