O despertar da consciência é um processo lento e muito duro.
Ao começar a sentir as reações do meio, o indivíduo tende a se fechar, a fim de evitar os choques que encontra ao vivenciar novos desafios.
É comparado a um músculo que, omisso dos exercícios físicos, sente fadiga ao exercitar-se.
Mormente, esse processo é árduo, lento e duradouro, tende a fazer do ser humano uma pessoa melhor.
Para tanto, deve-se enfrentar seus medos e não recuar diante das adversidades, achando que tudo está contra você.
O espetáculo da vida é cercado de vicissitudes. Ora estamos envoltos a pesadelos, ora descansamos na fragrância da paz.
Os momentos de tranquilidade servem para a construção de novas ideias. Os momentos de luta servem para o aprimoramento do ser encarnado.
A espécie humana, dotada de sensibilidades extra sensoriais, se desfaz de um recurso riquíssimo, não as utilizando em razão de encontrar-se frequentemente em meio a ondas turvas de energias grosseiras.
Quanto mais se pauta os objetivos materiais, maior o risco de perder contato com sua verdadeira essência, que é imaterial.
Quando se clama: _ Senhor, Senhor; não há que se pensar que não está sendo ouvido. As falhas de comunicação não ocorrem do lado perfeito (Divino), mas do lado imperfeito, (humano).
Os deslizes da humanidade estão embasados na ganância e na ambição; no desejo de querer sempre mais que o conseguido. A quantidade de recursos que há em vosso planeta é suficiente para abastecer toda a Terra. Se há escassez de alimentos em uma parte, deveria haver abundância em outra.
As condições climáticas alteradas são a prova de que a Mãe Terra se zanga com seus filhos ingratos. Pois tudo que precisam, possuem. Se falta algo, foi por abusar dos recursos naturais.
A humanidade precisa se conscientizar para uma nova era.
O respeito pelo seu lar (planeta) é a principal condição para sua evolução.
Como querer habitar mundos superiores se não aprenderam ainda a cuidar do vosso?!
Então, aprendam a lição.
Cacique Pena Verde