Postado por tiagopb – jan 11, 2011 em Relatos, relatos Saulo Calderon | sem comentários
Hoje durante o dia, andando no comércio parei para comprar um refrigerante.Apareceu uma senhora simples, e pediu dinheiro para comprar um pão a um rapaz. O rapaz disse com desprezo que não tinha, e nem olhou para o seu rosto. Vi o semblante da senhora com ar de triste, mas ela tentou novamente, e pediu para um outro rapaz, e o mesmo disse que não tinha. Ela me olhou de longe, e não teve coragem de vir até mim, então dei um sorriso com o olhar balançando a cabeça, o que fez ela vir em minha direção e pedir o resto de minha coca-cola. Então eu disse:
– Olá minha senhora, tudo bom?
Ela respondeu surpresa, acho que poucos a tratam assim.
– Olá meu filho, as coisas estão complicadas, mas tenho muita fé em Deus, ele não me desampara.
Fiquei muito surpreso com a força interna dela, e lhe convidei para comer comigo, e pedi um suco e um salgado para ela(ela que escolheu).
Então ouvi um pouco de sua história: Veio de uma cidade chamada Cabrobró para tentar a vida aqui, mas foi uma ilusão, passou fome, e seus filhos estão na rua, vivem limpando vidros de carros.
Meu cardíaco estava transbordando de emoção, tirei 5 reais e dei a ela dizendo: Olha minha mãezinha, não posso resolver sua vida, pois até mesmo a minha está incerta, mas hoje vou ajudar a senhora, é pouco, mas é com muito carinho que lhe ajudo, e acredite, na verdade estou saindo mais ganhando do que a senhora, pois a sensação que estou dentro de mim, não há dinheiro algum que pague.
Vi os olhos da senhora(Dona Amélia), cheios de lágrimas, e saí rezando ao Criador pelos simples.
Fui para casa.
Deitei-me após algumas horas, e relaxei fazendo o trabalho energético.
Senti um puxão diferente, e sabia que tinha alguém ajudando no ambiente.
Logo que entrei em EV(Estado Vibracional), alguém me ajudou a sair do corpo, pois tive de maneira totalmente involuntária uma decolagem clássica(que é da horizontal para a vertical). Abri os olhos, e vi que estava em frente à porta do meu quarto. Senti uma tranqüilidade muito grande, e sabia que estava muito bem acompanhado, agora por quem?
Senti mãos invisíveis em mim, pegando no meu braço, e me levando numa grande velocidade. E após alguns instantes sem visão alguma( praticamente tudo preto), vi uma simples casa de palha, com um senhor sentado num tipo de banco de maneira, parecia um tronco de árvores. Não entendi o que fazia ali, mas entrei no ambiente assim mesmo confiante de estar fazendo a coisa certa.
Ele estava de cabeça baixa, e logo soube que era um preto velho, pela sua aparência: Cabelos brancos iguais a neve.
Um chapéu de palha simples.
E um cachimbo.
Pernas cruzadas balançando suavemente.
Ele me olhou e disse com muita calma mais ou menos assim:
Olá meu filho. Deus Pai lhe abençoe. Sou teu irmão mais simples. Você fez uma coisa muito boa hoje. Sabe aquela senhora que ajudou hoje? Nem imagina com quem se sentou hoje. É um espírito que muito já caminhou, e tem uma grande luz. Ela rezou por você hoje, agradeceu pelo pão que ela pode comprar para seus filhos, e mais ainda, pelo carinho que passou a ela, coisa que fazia tempo que não sentia nas pessoas.
Não agüentei e comecei a chorar muito. O senhor me deitou em seu ombro, e me disse: – –
– Quando é que a humanidade irá aprender a ver no próximo a si mesmo. Deus está lá. Deus estava lá hoje quando sentou-se com aquela senhora.
Eu perguntei o nome dele, mas ele me disse que nomes são coisas físicas, eu iria conhecer ele ou chama-lo pela sua energia, esse era seu nome.
E continuando ele me deu um presente dizendo:
– Leve com você esse amuleto, e coloque ao lado de sua cama, ele irá ajudar você no dia a dia.
Vai filho, que o tempo passa mais rápido aqui, já é quase hora de despertar.
Eu ia perguntar se veria ele de novo, mas não deu tempo. Abri os olhos no corpo em menos de segundo(pelo menos essa foi a impressão).
Levantei sem perder nenhuma lembrança, e instintivamente olhei para minha mão procurando o amuleto, mas não tinha nada obviamente. E me questionei: Será que deixei cair? Não sei se colocaram ele aqui ao lado da cama, tomara que sim.
Realmente já eram 5:10 da manhã. Fiquei 3:30 hs fora do corpo? A sensação que tive foram mais ou menos de meia hora. O mundo espiritual é fascinante, a concepção de tempo realmente é relativa.
Senti as energias muito presente durante um bom tempo, inclusive sinto até agora enquanto escrevo esse texto.
Como vale a pena fazer a nossa parte. Olha que presente que ganhei. Quanto mais a gente faz, mais a gente recebe. É incrível, para cada 10 que faço, ganho 100, isso me deixa sempre com a sensação de que tenho que ir mais além, que não posso parar. A espiritualidade não nos deixa jamais.
Vou procurar aquela senhora novamente, espero encontrá-la .
Amigo, vale a pena ver no sorriso do próximo o nosso.
No conforto de uma criança, o nosso conforto.
E acredite, a tão procurada paz e tranqüilidade, está aí.
Nos dá uma paz interna que quando conquistada, a gente não quer mais perder, e para isso, não queremos mais parar de trabalhar e ajudar SEMPRE.
Muita Paz, amor, luz e trabalho para todos nós
Do irmão de todos
http://www.viagemastral.com/site/2011/01/11/projetado-com-um-preto-velho/