É fato, dizer que o ódio faz mal à pessoa. Faz mal à saúde física, mental e espiritual.
Disso, já sabemos, mas vale a pena refletir sobre os motivos que levam o ódio a atrapalhar nossas vidas.
A ira, a raiva, enfim; os sentimentos de irritação não são atraídos porque queremos, mas por situações em que nos envolvem.
Há momentos em que está tudo bem com você. De repente, uma pessoa irritada se aproxima e tenta lhe tirar do sério.
Essas pessoas desejam, na verdade, compartilhar do sentimento que está lhes transbordando. Daí surge a vontade de revidar a provocação.
Ao revidar, seu coração abre espaço para um sentimento que ficará armazenado em você. Um magnetismo de ódio se aloja em suas reservas espirituais de energia.
Após isso, mesmo passando a raiva, sem que haja o perdão, haverá uma brecha em seu “sistema imunológico espiritual”.
Deste modo, aproximando-se das pessoas, alguém poderá se sentir incomodado com sua energia e se afastar. As coisas se tornam mais complicadas quando algumas, ou muitas pessoas se afastam.
Como tudo no Universo obedece a lei de afinidades, os desencarnados que irão se aproximar terão uma energia condizente com esta que se alojou em seu campo energético. Aí está um cenário perfeito para uma obsessão espiritual.
Para combater as obsessões, existem várias formas. No entanto, a mais eficaz é se libertar dessas energias que se afinizam com os espíritos mais densos, que são o ódio, a ira, a raiva, etc. E também a inveja, a maledicência, a ganância, o apego exagerado e muito mais.
Uma receita básica contra o ódio é a prática da caridade, uma vez que esta nos ensina a vibrar sentimentos fraternos que funcionam como um bálsamo para nossos corações.

Ronaldo Figueira