Em meio a uma dupla religiosidade, fenômeno este, muito comum no Brasil, nosso povo tenta preencher as lacunas de sua vida com a devoção nas crenças multifacetadas de nossa tradição européia e afro ameríndia.
Podemos classificar dois fatores que são hoje, os principais geradores das aflições individuais mais comuns: _ a falta de dinheiro e as paixões.
A população carente, bem como a classe média baixa, convive diariamente com um cenário de fé que transcende a tradicional igreja católica.
Atualmente, as igrejas neopentecostais dividem o mesmo espaço com os terreiros nas periferias de São Paulo. Muitas vezes até na mesma rua.
As pessoas em geral, buscam o alívio para suas dores. O que diverge das finalidades eclesiais da igreja romana.
No início dos anos 60, a capital de São Paulo, empolgada com os ritmos da MPB através de seus cantores baianos, em meio à migração que ocorria nesta época, proporcionou o cenário adequado para receber os sacerdotes candomblecistas que migravam para São Paulo.
As décadas seguintes se dedicaram a recepcionar o fenômeno que ficou conhecido como neopentescotalismo, isto é, uma igreja luterana com mais carisma , mais aberta aos costumes contemporâneos.
Considerando, desde os anos 60, o déficit de educação, saúde, emprego, habitação, bem como a alta taxa de gravidez precoce, aumento da violência dentre outros fatores, a sociedade cosmopolita tenta buscar no milagre da fé, uma forma de suprir a ausência de políticas públicas necessárias para sanar estas necessidades sociais.
O discurso religioso que até então, tentava consolar as pessoas com máximas como “a felicidade não é deste mundo”, deixou de surtir efeito sobre os fiéis que buscam hoje um “deus” mais pragmático.
A fé torna-se então, utilitarista, baseada no inacreditável e tem por fim sanar as dificuldades financeiras e trazer a solução das paixões de toda natureza.
Esperamos pelo limiar de um novo tempo, fazendo com que a luz da razão toque nos corações perdidos. Assim, teremos uma fé pautada na lógica. Teremos como caminho, o conhecimento, isto é, a “busca” do conhecimento. Pois isto irá, de fato, tornar nossa sociedade religiosamente mais racional.